quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O Cravo e a Rosa




Nasceram em jardins próximos.
Com o passar dos dias, já crescidos, foram colocados no mesmo vergel, um ao lado do outro e começou ali, uma linda amizade de amor.
O cravo olhava para a rosa e exalava seu perfume para demonstrar seu valor. A rosa abria suas pétalas para mostrar o quão  bela e formosa era.
Fitavam-se até o entardecer e quando a noite caia, sonhavam em viver no mesmo cercado do jardim.
Um jardineiro escutou seus desejos e transplantou-os num vaso forte e muito bonito, para que continuassem seu romance,aproximando seus pedúnculo ainda eretos e frescos.
Os espinhos cresceram e num gesto involuntário, passaram a machucar o outro de forma a não poderem mais se tocar.
Com o passar do tempo, suas pétalas grandes e formosas,se tocavam sem que os espinhos os afetassem, aprenderam a conviver com eles.
Cresceram até onde suas raizes permitiram e encheram de brotos e flores todos os cantinhos do jardim.
Mas o tempo, inclemente, caiu sobre a rosa e seu cravo, enfraquecendo aquela rainha e debilitando o belo rei, que de forma singular,dominaram aquele pequeno pedaço de terra.
Ao abrir suas pétalas, a rosa já não conseguia mais segurá-las, e desvairadas, caiam no chão sem parar. O cravo, desesperado, queria animá-la, mas seus pequenos talos murchos e fracos, não podiam ampará-la. Por fim, a rosa despetalada e o cravo mirrado e arcado, se encontraram no solo e num gesto apoteótico, lançaram seu perfume final.
As pétalas foram guardadas num livro e os espinhos jogados ao vento.
Ao folhear aquelas páginas, posso sentir o amor dos dois pairando sobre o ar.
O perfume embora inodoro com o passar dos anos, tão sugestivamente me leva a senti-lo, mas dos espinhos... não me lembro mais.
O cravo e a rosa, enfloraram meu jardim

4 comentários:

  1. Oi Evinha!
    amei isso que vc escreveu. Tenho tbm o costume de colocar flores nos livros. Agora da pra imaginar uma historinha com cada uma delas por trás do fato que lembro, afinal, cada florzinha tem sua historia de como foi parar no livro.

    Como vc ta´Evinha? Saudade de tu!

    ResponderExcluir
  2. NINA!!!!!!!OBRIGADA PELO RECADINHO FOFO.....estou trabalhando e estou meio perdida nesse corre corre.....tenho saudades dos tempos em que podia viajar pelos blogs rsrzrsrs......é bom estar com vcs virtualmente, é um privilégio.....beijokas e boa semana para ti.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eva, sou, particularmente, fã de analogias. Você consegue trabalhar com elas de uma maneira brilhante! Quantos cravos não encontramos pela vida que, mesmo amando-os, não aprendemos a desabrochar sem que nos machuquem?! Belo texto, como sempre!

    ResponderExcluir