sexta-feira, 20 de maio de 2011

Tia Clô






A tarde era ensolarada mas fresca para se caminhar, o que convidava para um passeio pelas ruas da vizinhança.
Mama queria mais do que isso e me convidou para achegarmos até a casa da tia CLô.
O caminho era longo mas com poucas subidas, o que o tornava fácil e prazeroso.
Naquela tarde, dei o braço para a mama e juntas seguimos para o que seria nossa viagem.
As ruas começaram a ser cortadas,e o cominho atrás cada vez mais construído por nossos pés,que freneticamente, mas compassadamente alcançavam novos pedaços de chão.
O museu estava à nossa frente e teríamos que atravessar todo seu jardim o que seria uma aventura pitoresca.
Entre escadarias,árvores e estatuas,íamos comentando a respeito de cada uma delas: sobre o chafariz, os espinhos,  o carrinho de algodão doce,o castelo em que toda nossa história estava portada.
Nossa alegria era muita, porque em breve estaríamos na casa da nossa querida tia.
Depois de horas andando e saboreando as alamedas, chegamos à esquina da rua que queríamos. Larguei os braços suados da mama e corri para me postar em frente à casa da tia. Toquei a campainha e esperei ela abrir.
Não tinha outra forma, ela abriu os braços se abaixou para me alcançar e me envolveu com ternura. Mama chegou logo depois disso e recebeu os mesmos agrados.
Mama e ela ficavam tanto tempo conversando: riam,choravam,gargalhavam e eu lá na sala não entendia suas conversas, mas sabia que estavam felizes juntas e me deliciava com aquela segurança familiar. Depois de muitos tra-la-lás,a Tia Clô colocava água para ferver ,e de lá saia um cheirinho delicioso de café.A mesa bem posta, acompanhava : o leite,pão, queijo e doces em compotas que ela adorava improvisar.
Nunca precisaram me chamar, como uma abelha que segue em busca do néctar das flores, eu zumzumbiava até a mesa e me sentava com as perninhas ainda soltas no ar.
-“Uma caneca enorme para a Evinha mergulhar o pão e uma posta de doce de abobora e banana”. Não via mais nada,eu estava imergida naqueles acepipes tão adorados por minha criança gulosa.
Tia Clô me ensinava a desenhar enquanto tagarelava com a mama e, eu com aqueles lápis coloridos e papeis branquinhos, dava meus primeiros rabiscos como traços de arte moderna. Uma futura “Tarsila do Amaral “
Com os braços sempre abertos, com o sorriso sempre largo, com a casa sempre ensolarada, passávamos algumas tardes assim.
Quando a tardinha tomava conta do dia,vinham também as despedidas.Um grande abraço apertado para timbrar a marca do amor ali encontrado.Voltávamos de braços dados pelo mesmo caminho traçado.
Mama e eu virávamos em silencio, com a alma leve e a felicidade banhando nossos corações.
Minha infância foi cercada por pequenos gestos que demonstraram que eu era importante para essa tia.
Tias,tios,bisa e pais que fizeram da minha experiência terrestre um palco de alegria,segurança,felicidade e amor.
Todos deveriam ter por certeza, uma tia chamada CLÔ.

6 comentários:

  1. Evinha,também tive uma tia querida assim,era a tia Josefina,de olhos azuis,cabelos compridos e preso como coque,fala mansa e meia encurvada.Doce e meiga,sempre pronta para me escutar e sempre tionha um presentinho quando eu a ia visitar.Minha tia querida,assim como sua tia Clô.Me deu saudades.Gostei tanto desse seu texto,acho que vou fazer um para minha tia também rsrsr.Bjos Marilia_b.lima@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. evinha,erro meu.Não é hotmail é yahoo.O do hotmail eu não uso mais.Qualquer coisa escreva para esse endereço.bjos

    ResponderExcluir
  3. Filha, que texto lindo e fiel! Exatamente assim........ Por isso tenho muitas saudades.

    ResponderExcluir
  4. Oi Eva,
    a vida é feita desses momentos, que deixam esse sabor gostoso na alma da gente. Quando tem pessoas especiais como tia Clô entao, melhor ainda. Sabíamos (e saberemos sempre) que o afeto tava lá!

    "Família é um bem tão essencial, é um critério tão alto, que mora no topo de nossas vidas!". Li isso ainda hoje num blog e achei maravilhoso!!

    # Desculpe perguntar, mas ta tudo bem com a Ju? Ela nao postou mais, e como tava postando todo dia, eu to estranhando. Se nao, manda um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Oh que ternura! Que texto gostoso Evinha. Fiquei pensando no início se era um conto, porque tava sendo contado tao bonitinho, como sempre, Eva, vc me emociona!

    E vem cá, sua mae que escreveu ali em cima??? Que lindo... ou foi a tia Clô??

    ResponderExcluir
  6. Mama....que lindo...amei que escreveu...eu também tenho muitas saudades daquela época.....

    Nina...sim foi a mama que escreveu,ela é muito arteira hehehehe

    ResponderExcluir